Chávez: Evitar a guerra, preparando-se para ela

Unicamente instrumentando “a guerra de todo o povo” (…), é possível dissuadir o inimigo imperialista de lançar uma agressão direta.

Álvaro Uribe entregou a Colômbia em bandeja de prata, como praça de armas, à inteira e incondicional disposição dos Estados Unidos e a seus planos de subversão e intervenção militar de “espectro completo” na América Latina. Muda totalmente a equação geopolítica e geoestratégica ao sul do Rio Bravo, pois o convênio faz da Colômbia, único país com costas no Atlântico e no Pacífico, uma passagem-chave da América Central e do Caribe para a América do Sul: um gigantesco encrave militar ianque, em escala sem precedente em nosso continente, dirigido contra “os governos antiestadunidenses”, como afirma a Força Aérea dos EUA, em documento enviado ao Congresso de Washington, claro, com o propósito de reprimir os movimentos populares da região. A história mostra a carnificina e a destruição apocalípticas que, nos anos oitenta, um dispositivo militar semelhante, de Washington, provocou nos povos da Nicarágua, El Salvador, Guatemala e Honduras, durante a guerra suja contra a Revolução Sandinista e os movimentos guerrilheiros e populares da área. O atual golpe de estado em Honduras seria inexplicável sem a atividade do Grupo de Tarea Bravo, do Comando Sul, estacionado, desde então, na base de Palmerola/Soto Cano, de onde exerce a chefatura real do exército desse país,

Às bases da Colômbia se somam outras, já existentes no sul do Rio Bravo e as que, ao que parece, serão instaladas no Panamá, além da IV Frota, agindo em ambos os oceanos, ao redor do continente e ilhas da América Latina e Caribe. Por tudo isso, é muito grave a ameaça que paira sobre os governos revolucionários da região, que se verão forçados, a curto prazo, a redobrarem seus esforços em segurança e defesa nacional e, por conseguinte, a desviarem, para essas tarefas, enormes recursos humanos e financeiros que poderiam ter designado para o desenvolvimento econômico e social, e a integração.

A revelação, pelo governo venezuelano, de parte do conteúdo de um documento do DAS (polícia política colombiana) indica que a instalação das bases ianques chega junto com o recrudescimento da subversão contra a Venezuela, com a participação da CIA, a que se deve somar a desenfreada guerra dos conglomerados midiáticos corporativos contra os governos e movimentos populares do continente. Fiéis à sua história, os meios de comunicação da Sociedade Interamericana de Imprensa agem como unidades militares de guerra psicológica das forças armadas dos Estados Unidos e têm missões muito importantes atribuídas nos novos planos de desestabilização e agressão contra as forças populares, progressistas e revolucionárias da América Latina. Nessa condição de mercenários do Império é que armaram e fizeram uma grande pantomima sobre as supostas declarações belicistas do presidente Hugo Chávez “contra a Colômbia”, desviando, assim, a atenção das bases ianques nessa nação e a grave ameaça que implicam para a América Latina e, em primeiro lugar, para a Venezuela. Chávez agiu como chefe de Estado, previdente e responsável, que vê seriamente ameaçadas a soberania e a independência de seu país pela superpotência militar do norte, ao chamar as forças armadas e o povo venezuelano para se prepararem para a guerra, como a melhor maneira de evitá-la, constituindo corpos de milícias de trabalhadores, mulheres e estudantes, organizados pelos militares bolivarianos; porque, unicamente instrumentando “a guerra de todo o povo”, como fez Cuba, com o máximo de rigor, espírito de sacrifício e seriedade, é possível dissuadir o inimigo imperialista de lançar uma agressão direta.

Chávez não está só na sua apreciação sobre a gravidade da situação. O presidente da Bolívia, Evo Morales, qualificou o acordo sobre as bases como “uma aberta provocação contra a América Latina e, em particular, contra a Venezuela, Nicarágua, Equador e Bolívia”, e defendeu a convocação de uma reunião urgente da ALBA para discutir o tema. Em termos parecidos, expressaram-se todos os líderes dos países que compõem essa aliança. Fidel Castro analisou em pormenores o acordo em uma de suas Reflexões e pontuou o papel que se quer atribuir aos soldados colombianos: “O que o Império pretende agora é enviá-los para que lutem contra seus irmãos venezuelanos, equatorianos e outros povos bolivarianos e da ALBA, a fim de destruírem a Revolução Venezuelana.”

Angel Guerra Cabrera

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: